terça-feira, 25 de outubro de 2016

Se um debate definisse uma eleição...Arthur já estava eleito a muito tempo pois o candidato promessa, so fala que tem dinheiro dá pra fazer.

O formato do debate - candidatos mais livres, transitando entre convidados - foi a novidade da TV Em Tempo, ontem, e permitiu uma melhor performance do prefeito Arthur Neto. Uma eleição não se define pelo desempenho dos candidatos em um confronto de ideias e propostas, mas se essa fosse a regra, e não o voto do eleitor no dia 30 - Marcelo poderia começar a pensar em uma nova aventura em 2018.  Não que tenha sido ruim o seu desempenho, mas foi mediano, repetitivo e, como sempre, esqueceu   que estava falando para o telespectador e convidados, e não discursando.
Essa eleição pode ser um grande aprendizado para Marcelo. E já é um grande ganho para ele. Até  2018 terá tempo para  melhorar a sua relação com as câmeras e os microfones,falar com as pessoas num tom que não as assuste.  
Arthur cresceu muito do primeiro debate na TV Amazonas para o de ontem, na TV Em Tempo. Foi conciso e direto nas respostas. E gentil com seu opositor. 
O problema  dos debates em Manaus é o horário. E a baixa audiência.
As tvs precisam rever isso. Urgentemente. Ou no futuro talvez os candidatos, pela falta de resultados, recusem os convites em participar desse tipo de programa. (RH)
SECRETÁRIO, BLINDADO, FALA POUCO, DIZ NADA
O secretário de Saúde, Pedro Elias, chegou ontem ao plenário da Assembleia Legislativa do Amazonas blindado pelos deputados da base governista.
Saiu de lá como entrou: sereno e tranquilo.
Não foi devidamente sabatinado, como se esperava, e limitou-se a expor  medidas para resolver a situação dos funcionários terceirizados - contratados pelas empresas acusadas de participar de um esquema de desvio de recursos da saúde.
“Eu sei o que é trabalhar e não receber o salário no final do mês. Eu já fui terceirizado da saúde do Estado”, disse Pedro.
O secretário parece não ter passado em algum momento de sua vida por problema semelhante.
Mas disse que passou.
Um  problema que se arrasta há meses e só agora ele  diz que vai resolver.  
Diz por que há pressão da sociedade, pressão do Ministério Público do Trabalho, pressão dos órgãos de classe que representam esses funcionários.
A falta de questionamento dos deputados – exceção de três oposicionistas - sobre os favores que o secretário teria recebido do médico  Mouhamad Moustafa, apontado pela Polícia Federal como o cabeça do esquema de corrupção  no sistema de saúde do Amazonas, joga uma cortina de dúvidas sobre o comportamento dos parlamentares.
Ou eles não tiveram  a intenção de esclarecer nada, foram  omissos, ou simplesmente  estavam com a cabeça em outro lugar. Mas onde? (RH)
PDT COM ARTHUR
O deputado estadual Adjuto Afonso e o filho, vereador eleito Diego Afonso, aderiram à reeleição do prefeito Arthur Neto (PSDB) à Prefeitura de Manaus.
@@@
O anúncio foi feito às 16 horas de ontem em coletiva à imprensa ocorrida na sede do PMDB, com a presença do senador Eduardo Braga.
@@@
Adjuto foi vice na chapa encabeçada por Hissa Abrahão durante o primeiro turno da disputa municipal, mas a adesão dele e do filho foi um ato isolado, que não incluiu Hissa, apesar deste não se opor à decisão. “A bandeira do IPTU Social, defendida por Diego no primeiro turno e abraçada por Arthur, justificou nossa adesão”, disse Adjuto à coluna.
MOMENTO DE SILÊNCIO
Recolhido à parte da disputa pela prefeitura de Manaus desde o primeiro turno eleitoral, o governador José Melo foi alvo ontem de uma brincadeira nas redes sociais, afirmando que ele iria declarar seu voto no segundo turno. Até agora, porém, sua declaração mais recente, dita durante a posse do procurador-geral de Justiça do Estado, Fábio Monteiro, continua valendo: “O momento é de silêncio”. 
MAIS PRIVILÉGIOS PARA O COMÉRCIO
Para reforçar a atividade comercial em Manaus, comandada pela CDL Manaus, que conta com quatro mil associados e emprega 90 mil comerciários, a deputada Alessandra Campêlo propôs indicação ao governo do Estado sugerindo a redução de 18% para 17% da alíquota geral do ICMS do comércio, inclusive para o gás de petróleo e natural, e serviços. “É uma forma de fomentar a atividade do comércio, considerado o maior empregador da capital amazonense.”

sábado, 22 de outubro de 2016

BOMBA: EM ÁUDIO VAZADO , RENAN CALHEIROS FALA EM ACABAR COM A DELAÇÃO P...

PESSOAS QUE QUEREM VIDA FÁCIL TERMINAM ATRAZ DAS GRADES

Polícia prende homem acusado de 11 homicídios em Manaus.

Foto: Divulgação Polícia.
Policiais Civis da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, sob o comando do Delegado Ivo Martins, prenderam por volta das 17h30min, da última quinta feira, dia 20 de Agosto, o Pistoleiro da Facção Criminosa Família do Norte, EMERSON CRISTIANO SILVA COUTO, 22 anos, Vulgo “TIANO, CEGUETA e DOIDO”.
Segundo o titular da DEHS, TIANO foi preso numa operação especial, visto que ele era considerado de altíssima periculosidade. Ele foi surpreendido por várias equipes da especializada em homicídios quando lavava o seu veículo em frente a sua boca de fumo, localizada na Rua Dezesseis de Outubro, no Bairro Santa Inês, Zona Leste de Manaus.
Ainda de acordo com o Delegado, que coordenou pessoalmente a operação, TIANO percebeu a aproximação dos policiais e empreendeu fuga, correndo para dentro da casa, onde foi cercado, dominado e preso.
Com o suspeito, a Polícia encontrou várias porções de entorpecente que seriam vendidos para usuários, por isso ele foi flagranteado por Tráfico de Drogas.
Em depoimento na Delegacia de Homicídios e Sequestros, o acusado confessou ter matado 5 pessoas, todas no Riacho Doce (Cidade Nova), Zona Norte, todos os crimes foram com arma de fogo, sem defesa para as vítimas. Entretanto, o Titular da DEHS, informou que ele é suspeito de pelo menos 10 homicídios, onde todas as vítimas teriam algum envolvimento com o tráfico de drogas.
O acusado disse ainda, que é matador da Facção Criminosa e que recebe ordens dos Traficantes JOÃO RICARDO SANTOS DA COSTA, 29 anos, Vulgo “KAKÁ” e JEANDERSON DOS ANJOS NOGUEIRA, 35 anos, Vulgo “BILLY”, que estão presos na Cadeia, acusados de tráfico de drogas e Homicídios.
Segundo o Delegado, TIANO confessou que dependendo da vítima a ser executada, o preço variava entre 2 a 5 mil reais, que eram pagos assim que as pessoas fossem executas.
O caso que deu origem a prisão do acusado, foi a do nacional Eristony Fernandes de Sena, o“TOM”, executado por TIANO e mais três elementos, no dia 09 de julho desse ano. O crime ocorreu por volta das 15h, na Rua Manoel Amazonas Botelho, Riacho Doce II, no Cidade Nova I, quando quatro homens, fortemente armados, se passando por POLICIAS CIVIS, invadiram a casa da vítima e desferiram mais de 15 tiros em “TOM”, que morreu na hora em frente a sua esposa, que conseguiu reconhecer o acusado pois ele possui uma deficiência no olho esquerdo. A polícia já identificou todos os elementos, e está à procura dos outros envolvidos.
TIANO também confessou que matou o nacional FRANCISCO JERLAN NOGUEIRA DA SILVA, Vulgo “BOMBADO”, por volta das 22h30min, no dia 12 de Abril de 2012. O crime ocorreu na Rua Aírton Sena, no Riacho Doce II, a vítima foi morta com mais de 10 tiros, todos nas costas e na cabeça, desferidas por TIANO e JOÃO RICARDO SANTOS DA COSTA, 29 anos, Vulgo “KAKÁ”, o motivo do crime foi por conta do domínio do Tráfico de Drogas no Riacho Doce.
Outro crime em que chamou a atenção, foi o assassinato do jovem JULIANO RODRIGUES DA SILVA, Vulgo “CABEÇA", assassinado com mais de 8 Tiros na cabeça e nas costas, por volta do meio dia, do dia 05 de setembro de 2014, quando a vítima foi abordada e executada por dois homens que estavam em uma moto na Rua Puroentol, no Riacho Doce II, na Cidade Nova, segundo o suspeito, ele matou CABEÇA por que ele estava vendendo droga na área em que não era dele.
O Delegado informou ainda, que o acusado possui dois mandados de Prisão Preventiva expedidos pelo Juiz Plantonista Criminal Bismarque Gonçalves Leite, e que após ser oitivado em todos os Inquéritos Criminais em trâmite na Especializada, era será encaminhado a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, onde aguardará decisão da justiça.



RELAÇÃO DE VÍTIMAS QUE FORAM ASSASSINADAS PELO PISTOLEIRO:

01. ERISTONY FERNANDES DE SENA – 43 anos, Assassinado no dia 09/07/2015, por volta das 15h, na Rua Manoel Amazonas Botelho, no Riacho Doce II.

02. JULIANO RODRIGUES DA SILVA – 26 anos, Assassinado no dia 05/09/2014, por volta das 12h, na Rua Puroentol, no Riacho Doce II.

03. FRANCISCO JERLAN NOGUEIRA DA SILVA – 27 anos, Assassinado no dia 12/04/2012, por volta das 22h30min, na Rua Aírton Sena, no Riacho Doce II

04. FRANCISCO LIANDERSON DA SILVEIRA COELHO -24 anos, Assassinado no dia 07/12/2010, por volta das 16h30min, na Rua Independência, no Riacho Doce I.

05. FRANCISCO GEOVANY DA SILVA MENDES - 31 anos, Assassinado no dia 15/11/2014, por volta das 21h, na Rua Manoel Amazonas Botelho, no Riacho Doce II.

SUSPEITO

06. THIAGO FELIPE DE FREITAS – 26 anos, Assassinado no dia 01/03/2015, por volta das 19h30min, na Rua Pedro Collor, no Riacho Doce II.

07. JACKSON DOS SANTOS FERNANDES – 31 anos, Assassinado no dia 25/11/2012, por volta das 21h, na Rua na Rua Manoel Amazonas Botelho, no Riacho Doce II.

08. DANIEL BORGES DE ALMEIDA – 22 anos, assassinado no dia 29/03/2011, por volta das 22h, na Rua Tarumã, no Riacho Doce I.

09. ANTONIO MESQUITA DE SOUZA FILHO – 25 anos, Assassinado no dia 12/03/2010, por volta das 19h30min, na Travessa Juruti, no Riacho Doce I.

10. FRANCISCO SOARES PANTOJA – 22 anos, Assassinado no dia 19/03/2010, por volta das 21h30min, na Rua Francisco Otávio, no Manôa, Cidade Nova.

11. EDUARDO VASCONCELOS LEITE – 24 anos, Assassinado no dia 26/04/2015, por volta das 02h da manhã, na Avenida Noel Nutels, na Cidade Nova, em frente à Caixa Econômica Federal.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

É A LEI DA SEMEADOURA QUEM PLANTA COLHE

É MUITO TRISTE VER JOVENS ENVOLVIDO NO TRÁFEGO


NOTÍCIAS / AMAZONAS

Operação 'Pentágono' prende 12 pessoas por tráfico e homicídios em Manaus 

De acordo com a polícia, um presidiário comandava grupo envolvido em assassinatos na capital.
quinta-feira 20 de outubro de 2016 - 3:06 PM
Thiago Monteiro / portal@d24am.com
Ação ocorreu na manhã desta quinta-feira (20).Foto: Jair Araújo
Manaus - Doze pessoas foram presas durante a operação Pentágono, que ocorreu nas zonas norte e centro-oeste de Manaus, na manhã desta quinta-feira (20). A ação  teve como objetivo de combater o tráfico de drogas e homicídios. Conforme o delegado Fernando Bezerra, da 2ª Seccional Norte, o presidiário João Ricardo Santos da Costa, 35, o ‘Cacá’ mesmo cumprindo pena por tráfico de drogas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) comandava o grupo formado por sete pessoas, que está envolvido em pelo menos oito assassinatos que ocorreram em 2016 na capital.
De acordo com Bezerra, os presos  Vinicius da Silva Sarmento, 24,  era envolvido com o transporte das drogas para organização criminosa, Bruno Figueira da Silva, 28, o ‘Bruno Matador’, participava diretamente dos assassinatos, Martha Cardelhy Ferreira, 32, mulher de Cacá ficava responsável pelo controle financeiro do grupo, Paulo Silva Pirangi, 36, era gerente do tráfico da quadrilha, Carlos Eurico Da Silva, 52, escondia drogas e armas, Aderci Pereira Marques, 41, olheiro do bando e Rayna Crisina Braga Carneiro, 28, grávida de quatro meses, mulher de Pirangi, ajudava o marido no esquema criminoso.
Além da organização criminosa desarticulada, os policiais civis prenderam durante a operação Jorge Mendes Dias, 35, Júlio Queiroz de Castro, 31, envolvidos em tentativas de homicídio, Daniel de Souza Albano, 39, o ‘Sangue Bom’ preso em cumprimento de prisão por tráfico de drogas e Elyton Cardoso Mendes, 20, envolvido com um roubo de R$ 8 mil em Amapá.


Operação apreendeu drogas e armas na manhã desta quinta
Foto: Jair Araújo
“A operação teve objetivo de combater o tráfico de drogas e homicídios. Houve uma concentração de prisão a uma organização criminosa que atuava na zona norte. Identificamos os líderes do grupo e desarticulamos o grupo. Outras pessoas foram presas aleatoriamente durante nossos trabalhos”, disse o delegado, que o bando trabalhava para uma facção criminosa da capital.
As prisões ocorreram através de mandados de prisão busca e apreensão e flagrante nos bairros Redenção, zona centro-oeste, comunidades Riacho Doce e Campo Dourado, bairro Cidade Nova, comunidade Aliança com Deus, Nova Cidade, Novo Israel e Cidade de Deus.  O mandado de prisão contra João Ricardo foi cumprido dentro do Compaj, no quilômetro 8, da Rodovia BR-174.
Durante a operação a polícia apreendeu três quilos de maconha, uma pistola 9 mm, 16 munições, uma motocicleta Twister 250, vermelha e placa JTH-4963, dois carros Voyage, preto placa DAD-7038, Palio, prata e placa AYI-5587, televisões, computadores e celulares.
João, Vinicius, Bruno, Martha Paulo e Daniel foram indiciados por tráfico de drogas. Jorge e Júlio indiciados por tentativa de homicídio. Elyton, Carlos, Aderci e Rayna por tráfico e drogas e associação para o tráfico. O grupo foi conduzido ao sistema penitenciário.

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

A HISTÓRIA DE UM DOS SÍMBOLOS PODEROSOS DO AMAZONAS. PALÁCIO RIO NEGRO ONDE O PODER DOS BARÕES DA BORRACHA EXERCERAM SEUS COMANDOS




Palácio Rio Negro, um símbolo de poder dos “barões da borracha”


palacio-rio-negro-2
Símbolo da época áurea da borracha, o Palacete Scholz foi tombado como patrimônio histórico e transformado no Centro Cultural Palácio Rio Negro. Fotos: Tereza Cidade
Não bastava ser rico, era preciso ostentar. Assim era a vida dos “barões da borracha”, como se tornaram conhecidos os comerciantes que enriqueceram com a exploração do látex entre o final do século X e início do século XX em Manaus. Era o boom da borracha, quando a exploração do produto alcançou níveis espetaculares para a economia do Estado, sobretudo para os donos dos seringais e comerciantes.
Um dos comerciantes mais ricos foi o alemão Waldemar Scholz, dono da mais luxuosa residência que havia em Manaus naquele período. Conhecido como “Palacete de Scholz”, a casa fabulosa foi construída na avenida Sete de Setembro, onde hoje é o Centro de Manaus, em um terreno de mais de 4.700 metros quadrados
Com a queda do preço da borracha a partir de 1912 e depois com a 1ª Guerra Mundial, Scholz se viu obrigado a hipotecar e vender o imóvel para o coronel Luiz da Silva Gomes, que era seringalista e comerciante,  em 1911. Era o fim da vida ostentosa do alemão, que voltou para sua cidade natal, Hamburgo, onde faleceu, sem retornar mais a Manaus. Depois o prédio foi alugado e, em 1917, vendido para o Estado, na gestão do governador Pedro de Alcântara Bacellar, por 200 contos de réis, valor considerado muito alto para um Estado em crise financeira. O imóvel se transformou na residência e na sede do poder executivo estadual até 1995.
Reformada e revitalizada, a residência, localizada na avenida Sete de Setembro, foi transformada no Centro Cultural Palácio Rio Negro, em 1997, que fica aberto à visitação gratuita.
Assim como muitos prédios do período da “belle époque”, a casa de Waldemar Scholz seguia os ditames da moda arquitetônica da época. O original do imóvel foi mantido e revitalizado. Hoje, o centro é um espaço de exposições permanentes, que incluem bustos de autoridades públicas, quadros de artistas famosos, como Moacir Andrade e Branco e Silva, e fotografias penduradas no salão nobre de todos os governadores do Amazonas.
A programação inclui também atividades pontuais, com exposições temporárias, recitais de música erudita, lançamentos de obras literárias, conforme o cronograma do espaço.
palacio-rio-negro-01
O prédio foi construído entre 1900 e 1903, com 16 cômodos.
palacio-rio-negro-23
Detalhe da fachada, com as duas esculturas em ferro importadas da França.
palacio-rio-negro-1
A escadaria suspensa em madeira de lei.
palacio-rio-negro-3
Detalhe das estátuas que representam a música e a poesia.
palacio-rio-negro-4
Quadro “Imortalidade”, um óleo sobre tela de Branco e Silva, em comemoração aos 50 anos do Teatro Amazonas.
palacio-rio-negro-20
Sala de espera ou descanso.
palacio-rio-negro-22
O piso é todo feito em acapu e pau-amarelo, madeiras da Amazônia.
palacio-rio-negro-21
Estátua representando a meditação.
palacio-rio-negro-19
Exposição de pinturas em uma das salas do palacete.
Adentrar e visitar cada sala do Centro Cultural Palácio Rio Negro é mergulhar em uma das histórias mais fascinantes do Amazonas e, sobretudo, de Manaus. O espaço guarda quadros, mobílias antigas, incluindo três relógios suíços, poltronas, estantes. A maioria dos móveis é original. Um dos destaques é uma mesa de jacarandá de estilo inglês. Cadeirinhas de palha-de-índia também fazem parte do mobiliário. Há também uma sala de leitura, onde o visitante pode descansar.
O espaço possui dois andares e a visitação por ser guiada ou não. Na frente do prédio, em meio ao jardim, há uma estátua em bronze representado a Medusa, com serpentes entrelaçadas no cabelo e braço. Uma escadaria com duas entradas, com esculturas em ferro trazidas da França de um índio e uma índia com luminárias nas mãos, levam ao interior do prédio.
Ao entrar no espaço, o visitante se depara com um bela escada suspensa em madeira de lei, guardada por duas esculturas.
O acesso ao terceiro andar, onde existe um farol, está bloqueado devido à fragilidade de uma escadaria que, no entanto, permanece visível ao visitante.
Tombado como patrimônio histórico do Estado em 1980, o Palácio Rio Negro é integrado ao Parque Jefferson Péres, outra atração da cidade.
palacio-rio-negro-17
Varanda frontal do prédio.
palacio-rio-negro-15
Belo mobiliário em exposição
palacio-rio-negro-14
São várias salas com móveis de época
palacio-rio-negro-12
As famosas cadeiras de palhinhas.
palacio-rio-negro-11
Sala oficial do governador.
palacio-rio-negro-18
Painel com fotos de todos os governadores do Amazonas.
palacio-rio-negro-9
Mesas e cadeiras antigas
palacio-rio-negro-8
Grandes portas internas são uma característica da construção.
palacio-rio-negro-7
A beleza do mobiliário antigo.
palacio-rio-negro-6
Sala dos símbolos do Amazonas, como a bandeira e o brasão
palacio-rio-negro-10
Varanda na parte posterior do palacete.
palacio-rio-negro-5
O canto dos pássaros nas árvores cria um ambiente acolhedor e relaxante na parte de trás do palacete
palacio-rio-negro-25
Jardim que faz a ligação com o Parque Jefferson Péres.
palacio-rio-negro-16
Prédio para eventos, ao lado do Palácio Rio Negro.

MARCOS SANTOS UM JORNALISTA DE PESO E MEDIDA DEIXA SEU CARGO SEM BRIGA, MAIS COM UMA DOR NO CORAÇÃO TODO MUNDO QUE O CONHECEU SABE DISSO

OPINIÃO Deixo a Rede Tiradentes. Sem brigas. Apenas havia chegado a hora TURISMO Palácio Rio Negro, um símbolo de poder dos “barões da borracha”

Texto copiado de: http://www.portaldomarcossantos.com.br/
Copyright © Blog do Marcos Santos

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

UM BOM CHÁ DE SIMANCOL É BOM PRA ESTES PARASITAS QUE SÓ SABEM VIVER, SE ESTIVEREM PERTO DO DINHEIRO E DO PODER. ACOMPANHE O DESENVOLVIMENTO DESTES POLÍTICOS QUE NÃO SERVEM MAIS NEM PRA FAZER CAFÉ

Recado das urnas a ex-deputados estaduais do AM: ‘pegue seu banquinho e saia de fininho’


Nonato Lopes, Angelus Figueira, Fausto Souza (ao centro), Nonato Lopes e Nelson Azêdo amargaram derrota nas urnas (Fotos: Divulgação)
Nonato Lopes, Angelus Figueira, Fausto Souza (ao centro), Nonato Lopes e Nelson Azêdo amargaram derrota nas urnas
Selo eleicoes peq
Por Rosiene Carvalho, da Redação
MANAUS – Os eleitores do Amazonas negaram, no domingo, 2, a volta de ex-deputados estaduais a cargos políticos. As urnas disseram não para Nelson Azêdo, em Itacoatiara; Ângelus Figueira, em Manacapuru; Nonato Lopes, em Iranduba. Além disso, em Manaus os ex-deputados Fausto Souza (PR) e Nonato Lopes (PHS), que tentavam uma vaga na Câmara Municipal de Manaus, também foram rejeitados. Fora do circuito de poder, esses políticos tentavam se realinhar por meio do comando de prefeituras municipais.
No exercício do mandato, Sabá Reis (PR) é outro representante da Assembleia Legislativa nocauteado neste pleito. Após intensa pré-campanha em Autazes, com apoio de outros deputados estaduais e federais no palanque, Sabá ficou em terceiro lugar e perdeu, assim como o atual prefeito da cidade Tomé Filho (PSD), para ex-chefe de gabinete do deputado federal Silas Câmara, Andreson Cavalcante (Pros).
Azêdo
Em Itacoatiara, a população deu um sonoro não ao ex-deputado cassado Nelson Azêdo (Pros), que ficou em terceiro lugar no pleito com 5.788. O primeiro lugar recebeu 16.496 votos a mais que ele. É a quarta vez que as urnas dizem não a Azêdo desde que ele teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral no Caso Prodente.
A denúncia veio à tona ainda nas Eleições de 2006, quando um vídeo mostrando o então deputado e o então candidato a vereador, hoje presidente do TCE Ari Moutinho, pedindo votos a pessoas atendidas pela Fundação Prodente, que recebia repasses do Governo do Estado. As decisões judiciais indicaram que a fundação também era bancada com verba de gabinete da Assembleia Legislativa.
Depois de muita polêmica na tramitação do caso no TRE-AM, Azedo foi cassado meses antes do fim do mandato. No ano passado, ele e o filho Nelson Amazonas foram condenados a prisão, em decisão de primeira instância na Justiça do Amazonas.
O ex-vereador e atual presidente do TCE Ari Moutinho conseguiu se desvencilhar de todos os processos em que Azêdo foi condenado. Este ano, o TCE arquivou o processo que investigava os convênios entre a Prodente e o Governo do Amazonas com base em resolução interna no tribunal, que prevê prescrição de casos como este, que já estava na gaveta há pelo menos 10 anos.
Azêdo conseguiu depois decisões liminares para reverter as condenações, mas não se livrou dos efeitos da cassação junto ao eleitorado.
Já em 2010 não conseguiu a reeleição na Assembleia. Em 2012, tentou se eleger prefeito em Itacoatiara e foi rejeitado. Em 2014, tentou voltar novamente à Assembleia e mais uma vez não foi eleito.
Apesar desse histórico, Azêdo contou com apoio de partidos como o DEM, do deputado federal Paurdeney Avelino, porta voz dos discursos de combate à corrupção e defensor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). E do Pros, partido do governador José Melo, pelo qual Azedo disputou o pleito.
Nonato Oliveira e Fausto Souza
Ícone do palanque eletrônico nas décadas de 80 e 90 e político de votações expressivas neste período, o ex-deputado Nonato Oliveira (PHS) tentou voltar ao circuito político mas recebeu 2.208 votos, insuficientes para a vitória. Fausto Souza (PR), que não conseguiu a reeleição na Assembleia em 2014, após expressivas votações no auge da fama dos “Irmãos Coragem” também viu mais uma vez naufragar sua tentativa de voltar a cargos eletivos. Ficou com 1.415 votos e amargou a 161° colocação.
Fausto, no último mandato, teve o nome envolvido numa operação que apura denúncias de pedofilia. Antes disso, o irmão e ex-deputado estadual Wallace Souza, que morreu em 2010, foi acusado de se envolver com facções criminosas no Estado, o que levou à derrocada da família Souza no campo político.
Nonato Lopes
O ex-deputado estadual e ex-prefeito de Iranduba Nonato Lopes (PMDB), que já ocupou cargos de vereador de Manaus e Secretário de Estado de Segurança na época em que Amazonino Mendes governou o Amazonas, não conseguiu voltar ao comando do município. Além de ter o registro indeferido pela Justiça Eleitoral, os votos que recebeu deram a ele o segundo lugar na disputa. O primeiro colocado, Chico Doido (DEM) teve quase o dobro da votação de Lopes.
Ângelus Figueira
O ex-deputado estadual e ex-prefeito de Manacapuru Ângelus Figueira (PP) também teve os planos de voltar a ocupar cargos públicos por meio da eleição frustrado pela força política demonstrada pelo candidato que venceu o pleito, o empresário Beto Dangelo (Pros). Apesar da derrota, Figueire demonstrou que ainda tem fôlego para futuras eleições, porque recebeu 13.618 votos. Perdeu por uma diferença de 809 votos.
Tabosa
Embora nunca tenha conseguido exercer um mandato após ter sido cassado as duas vezes que se elegeu vereador de Manaus, o apresentador de TV, Ronaldo Tabosa (PP), parece ter diminuído o recall entre os eleitores. Este ano com 6.945 aguarda na suplência da sua coligação.